sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Pacientes obesos submetidos a cirurgia bariátrica vivem mais.

Um estudo feito com pacientes submetidos a cirurgia bariátrica -- conhecida popularmente como "redução de estômago" -- mostrou que, em longo prazo, eles têm uma taxa de sobrevida maior em comparação a pacientes obesos que não passaram pelo procedimento. A pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa em Saúde Coletiva, financiada pelo Serviço de Desenvolvimento e Pesquisa em Saúde, estudou pacientes atendidos pelo sistema de saúde Veterans Affairs, em Seattle (EUA). O estudo considerou as taxas de sobrevivência de 2.500 pacientes (74% deles homens) que se submeteram ao procedimento entre os anos 2000 e 2011 nos centros bariátricos do Veterans Affairs. Os dados foram comparados aos de 7.462 pacientes do grupo de controle que não foram submetidos à cirurgia. Os pacientes cirúrgicos tinham uma idade média de 52 anos e uma média de IMC (Índice de Massa Corporal) de 47; já os pacientes do grupo de controle tinham em média 53 anos e IMC médio de 46. No final do estudo, que foi realizado por um período de 14 anos, foram registradas 263 mortes no grupo cirúrgico e 1.277 mortes no grupo de controle. Isso significa que as taxas de mortalidade estimadas para pacientes cirúrgicos foram de 2,4% em um ano, 6,4% em cinco anos e 13,8% em 10 anos. No caso dos pacientes do grupo de controle, as taxas foram de 1,7% em um ano; 10,4% em cinco anos e 23,9% em 10 anos. A pesquisa salienta que a cirurgia bariátrica não estava associada às causas da morte dos pacientes que faleceram no primeiro ano, mas estava associada à taxa significativamente menor de mortes ocorridas entre o primeiro e o quinto ano e do quinto ao 14º ano de estudo. No artigo, os autores afirmam que os resultados "fornecem evidências adicionais para a relação benéfica entre a cirurgia e a sobrevivência que já foram demonstradas em pessoas mais jovens e predominantemente do sexo feminino". Além da redução de peso, a cirurgia bariátrica é associada à melhora (ou até ao desaparecimento) de doenças relacionadas à obesidade, elevando a qualidade de vida do paciente.

Nenhum comentário: