domingo, 12 de janeiro de 2014

A vida fica mais curta sem carboidrato.

Todo ano é assim: as pessoas correm para academia e querem fazer qualquer dieta da moda na intenção de perder toda aquela gordura adquirida durante o inverno virando alvo fácil da indústria da enganação. Entre os procedimentos “ditos” milagrosos vem a mania de não comer carboidrato divulgado por algumas artistas famosas ou aquelas modelos magrelas. Eis a questão quase sempre deturpada. A dieta pobre em carboidrato é chamada cetogênica com aplicação terapêutica no tratamento de crianças e adolescentes com epilepsia que não respondem ao tratamento medicamentoso conservador ou nos casos de obesidade de risco, patologias cardiovasculares, diabetes, alguns casos de câncer entre outras doenças. Mesmo nos casos terapêuticos existe o risco calculado e acompanhado por médicos. Os carboidratos são a nossa principal fonte de energia tanto para as pessoas sedentárias como as fisicamente ativas. As sedentárias precisam um mínimo de carboidrato para se movimentar e se manter vivas. Os atletas para manter os estoques de energia antes, durante e depois do exercício além da energia funcional. No esporte estoques baixos de carboidratos são responsáveis por fadiga precoce. Tem gente que inventa de fazer dieta pobre em carboidrato para emagrecer e fazendo muito exercício achando que os carboidratos serão responsáveis pelo aumento da gordura corporal. Na falta do carboidrato o corpo vai buscar a energia nos músculos num processo chamado de catabolismo que se refere à perda de massa muscular. Embora não exista um número exato, pelo menos existe consenso médico que os carboidratos devem ocupar em torno de 50% do gasto calórico de um indivíduo. Claro que depende do tipo de corpo estatura e o nível de atividade física que cada um faz. Fazendo analogia com o automóvel quanto maior a potência do motor, a velocidade alcançada e a distância percorrida, maior o gasto de combustível. Dieta pobre em carboidrato não resta dúvida que emagrece assim como parar de comer também até morrer de inanição, mas o que dizem os estudos? Um estudo de revisão feito por pesquisadores japoneses que acompanharam pessoas que fazem dietas pobres em carboidratos chegando a mesma conclusão. Em longo prazo os adeptos dessa dieta têm maior taxa de mortalidade. Isso mesmo! Vivem menos. Não entendeu ainda? Morre mais cedo. Que graça tem isso? Tem mais. Em pesquisas anteriores estudiosos suecos já haviam concluído risco aumentado de doenças cardiovasculares em pessoas adeptas à dieta com pouco carboidrato e muita proteína (Lagiou et al., 2012). Portanto, fica aí o alerta. Fazer qualquer tipo de dieta só tem validade assegurada se for prescrita por um médico ou um nutricionista. Ficar sem comer carboidrato realmente emagrece, mas pode morrer antes do gordinho que come de tudo.

Nenhum comentário: