sexta-feira, 25 de maio de 2012

Exercício físico não melhora colesterol.


Abandonar o sedentarismo na fase adulta na tentativa de controlar o colesterol e o triglicérides é ineficaz. Mas o exercício físico, embora não funcione como tratamento contra o problema, pode atuar na prevenção, especialmente se for praticado desde a infância, na intensidade adequada. Essa é a conclusão de uma tese de doutorado defendida na Unesp (Universidade Estadual de São Paulo) com base em um levantamento feito com 2.720 voluntários. A pesquisa avaliou as alterações dos níveis de gordura no sangue, disfunção conhecida como dislipidemia, durante infância, adolescência e fase adulta. Esse tipo de problema atinge 12% dos brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, mais que o dobro do porcentual de diabéticos no País.

— Menos de 5% dos entrevistados que praticaram exercícios na infância e na adolescência e continuaram com suas atividades apresentaram a doença.

O dado obtido pela pesquisa evidencia a importância de se incorporar a prática de exercícios à rotina desde cedo.

— O hábito é preventivo e deve ser cultivado, pois os efeitos positivos terão reflexos a longo prazo, na fase adulta ou quando o indivíduo for idoso.

A tendência entre o público infantil, porém, é inversa: as crianças já estão mais sedentárias do que os adolescentes, segundo um estudo com 2.500 estudantes realizado pelas secretarias estaduais da Saúde e da Educação de São Paulo, divulgado pelo Jornal da Tarde em 2011.

Nenhum comentário: